Semanada >   H. Jackson Brown, Jr.
When you lose, don't lose the lesson

segunda-feira, junho 25, 2007

O borboletar das borboletas



O Tomás, atarefado como pivot de um enormíssimo investimento, certamente assoberbado de trabalho no seu escritório privado, pulando por coisas de grande monta, introspectivíssimo, creio, tentando estruturar ideias determinantes para o futuro da cidade capital, articulando argumentos para trazer à evidência as vantagens económicas da Portela barra Figo Maduro, elaborando, paulatinamente, o seu próximo livro, ainda tem tempo para nos fazer rir, a nós formiguinhas singelas, com excertos de adaptações do excelente livro de Trinh Xuan Thuan, autor de O Caos e a Harmonia, a fabricação do real, uma publicação revolvida nesta coisa quântica, presenteando-nos com uma nota que nos obriga a pedalar, lendo-a em primeiro abordo no Conquilhas, que nos remete para Raimundo Narciso, em Água Lisa 6, o qual nos atira para a origem no blog Abrir Lisboa, de apoio a António Costa, um post com um título convincente, “Lisboa deve ser pensada… eu diria mais, repensada!”, com rigor, com o Zé e a sério, da autoria de Ulisses Neves Pinto, que nos instiga a puxar pelos miolos usando todas as variáveis que as nossas limitações permitam. Como diria o outro, desemaranhar o novela da Ordem no Caos que se instalou.
As três notas nos três blogs que referi foram produzidas antes da coisa esclarecedora acontecer, dita de debate dos candidatos, no Museu da Electricidade. Anseio, claro, pelas próximas notas depois do apagão de ideias e da florescência pirilampica de clichés que se repetiram no sítio da electricidade, no qual, por rudimentar simbolismo, deveria ter sido feita luz. Não vale a pena arranjar grandes substratos justificativos:
Costa, cada vez mais, apenas porque sim!

Blog Hoje há conquilhas…
Blog Água Lisa
Blog Contra-capa

Etiquetas:

2 Comments:

At 8:48 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Raimundo Narciso no "Água Lisa"? Só de passagem para beber um copo e depois cada um às suas, ele para o "Puxa Palavra" e eu a calçar pantufas e a deixar-me estar. É que eu e o Raimundo somos amigos com separação de blogues. João Tunes

 
At 10:14 da manhã, Blogger lorenzetti said...

Continua o incompreensível direito de voto exclusivo em Lisboa dos residentes em Lisboa.

Sendo que residir em Lisboa é cada vez mais raro, como se sabe, relativamente ao número de pessoas que aí vivem todo o dia, porque aí trabalham, estudam, ou porque passam aí quase todo o seu tempo.

Todos aqueles que penam no IC19 ou na autoestrada Cascais-Lisboa ou na Ponte 25 de Abril, Vasco da Gama e afins passam o seu dia em Lisboa.

Muitas vezes mal conhecem o sítio onde vivem, desde os vizinhos a quem é o presidente da Câmara, para não falar no -- nunca soube quem é, nem de que partido é -- presidente da 'junta'.

No entanto, não votam em Lisboa.

A mesma Lisboa onde fazem tudo, onde gastam e ganham dinheiro, que conhecem melhor que o concelho onde vão dormir.

O que leva L. a pensar se os resultados eleitorais em Lisboa não serão injustos, errados e inúteis.

Pelo menos enquanto os universitários e restantes estudantes, e todos os que 'dormem' fora de Lisboa, que trabalham em Lisboa, aqueles cujo BI não diz Lisboa em 'residência', não votarem em Lisboa.

Porque vendo bem, são eles que vivem -- e que são -- a Capital.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home



footer-letra